Você sabe o que é uma Soccer Mom?


Antes de explicar o que é uma soccer mom, é preciso entender primeiro o envolvimento das crianças e adolescentes com o esporte em grupo aqui nos Estados Unidos (seja basquete, futebol americano, beisebol ou futebol) e o engajamento das famílias nisso. Só para se ter uma ideia, 60% das crianças entre 5 e 18 anos nos Estados Unidos praticam algum tipo de esporte fora da escola (geralmente em ligas organizadas). São 35 milhões de crianças por ano atuando em algum time!




LEIA TAMBÉM: Estados Unidos revelando talentos para o futebol?

Pois bem…a soccer mom é a mulher que reside nos Estados Unidos, com filhos em idade escolar, que geralmente não está no mercado de trabalho, de classe média e que vive nos subúrbios (lembrando que subúrbio aqui não tem a mesma conotação que no Brasil). Sua característica principal é a intensa dedicação para acompanhar as práticas esportivas dos filhos, com destaque para o futebol.

Geralmente elas dirigem mini-vans (que sempre têm os adesivos das ligas infantis), levam e trazem os filhos (e os amigos deles) e se envolvem como voluntária nas questões logísticas. Avisam sobre dias e locais das partidas, arrecadam fundos, se preocupam com o lanche dos atletas e fazem vaquinha para comprar um presente para o técnico.





Super equipadas, elas têm sempre cadeiras com guarda-sol e, se precisar, elas carregam uma caixa de isopor com água e isotônicos gelados. Estão sempre na beira do campo, gostam de dar pitacos como especialistas e são capazes de torcer como se todo jogo fosse uma grande final de temporada.

Que fique claro que as temporadas infanto-juvenis por aqui (de qualquer esporte coletivo, não só o futebol) não deixam nada a dever ao cronograma de um time no Brasil: pelo menos três treinos por semana, jogos regulares todos os fins de semana e até duas partidas por dia durante os campeonatos.

LEIA TAMBÉM: 12 frases que jovens atletas precisam ouvir de seus pais

Sim, o termo pode ser pejorativo: de que elas são mulheres que não fazem outra coisa na vida além de tomar conta da “carreira futebolística” de um ou mais filhos (lembrando que as meninas jogam tanto futebol quanto os meninos por aqui). Mas é preciso também enxergar nelas mulheres que não sentem falta de uma carreira e estão bem satisfeitas e orgulhosas pelo engajamento total nas atividades extra-curriculares das crianças.

Muitas são criticadas por sobrecarregarem os filhos com tantos compromissos ao invés de deixarem que eles (e elas próprias!) tenham algum tempo livre. Eu conheço criança que joga em três times: um de futebol, outro de hóquei e um de beisebol. E obviamente o fim de semana da família está sempre comprometido por conta de tantas competições.

LEIA TAMBÉM: A importância de continuar falando Português nos Estados Unidos

A soccer mom, de acordo com a imprensa, foi decisiva nas eleições americanas de 1996 (entre o republicano Bob Dole e o democrata Bill Clinton). Ao contrário da postura republicana, Clinton deu a estas mães de classe média (consideradas um grupo de eleitores indecisos) um status de mais respeito e valorização. O democrata se valeu desses votos e foi reeleito.

Mas no mês passado, durante o “Potomac Memorial Tournament” (torneio que ocorre há 35 anos e reúne 325 times infantis!) o time do meu filho jogava contra um time de Nova York. O juiz cometeu vários erros ao longo da partida. Entre eles: deu um gol impedido para o time adversário e literalmente trocou as bolas favorecendo um arremesso lateral para o outro time, que acabou ganhando de 3 X 2. Eu não me aguentei e fui em cima do juiz: “You don’t know anything about soccer rules!”, esbravejei. E registrei uma reclamação junto aos organizadores do torneio. Pois é… quem é que não tem um momento de soccer mom quando mexem com um filho seu?


 Fabiana Santos é jornalista e mora em Washington-DC. Futebol na casa dela é uma paixão: o marido ama, Felipe, de 9 anos, quer ser jogador profissional e Alice, de 3, já faz aulas numa turminha infantil. 



VIDA EUA: Como viajar dentro dos Estados Unidos

VIDA EUA: Os 10 maiores obstáculos para brasileiros que mudam para os Estados Unido

Leia Também
Vídeos

Na Florida Cup2016, Canal EUA Sports falou com o jornalista e apresentador Marcelo Rezende e o ex-jogador Dodô, conhecido como o “artilheiro dos gols bonitos”. Eles falaram sobre suas impresssões em relação ao mercado de futebol do Estados Unidos

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!


Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Jorge Lameiras


Futebol EUA entrevista o CEO do Orlando City , Alexandre Leitão. Revelamos detalhes sobre o projeto do novo CT que será construído na cidade de Lake Nona, próxima a Orlando. O CT deverá estar pronto em março de 2017 e contará com 6 campos oficiais, academia, vestiário e espaço para recuperação dos atletas

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!


Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Jorge Lameiras

O diretor das categorias de base do Orlando City, fala sobre o que espera para o futuro da Academia. David Longwell explica as várias etapas que um atleta das categorias tem que ultrapassar, para conseguir chegar até o time profissional

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!!

Na entrevista, perguntamos ao Diretor das Categorias de base do Orlando City, David Longweel, quais eram as expectativas do clube em relação ao futuro da Academia. Sobre os investimentos que estão sendo feitos e como é o processo para que um jogador da base chegue ao time principal do clube.

David respondeu:
– Já existe um bom projeto para isso no clube, nós tentamos levar jogadores para a Academia, da Academia eles vão para o time B do Orlando City e daí completam o processo chegando ao time da MLS.
Tem muito trabalho sendo feito por trás das cenas, o clube está investindo dinheiro pra tentar transformar nossa Academia em uma das melhores do país. E nós temos um objetivo de formar nossos próprios jogadores, nesse caso teremos jogadores mais novos no time principal.
Estou muito confiante que isso vai acontecer no futuro.

Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Karina Furtado

Voltar