Vale a pena tentar a vida como jogador de futebol profissional nos Estados Unidos


O mercado de futebol nos Estados Unidos é um dos que mais cresce no mundo. Clubes como o Orlando City e o New York FC promoveram contratações milionárias nos últimos anos com intuito de alavancar e fortalecer a principal liga de futebol americana, a MLS




Astros brasileiros como Kaká e Julio Baptista do Orlando City, os europeus do New York FC Andrea Pirlo, David Villa e Frank Lampard, além do mexicano Giovanni Dos Santos do LA Galaxy e o marfinense Didier Drogba do Montreal Impact, formam a atual constelação que vem atuando pela liga MLS.

Mas será que essas mega contratações, já foram capazes de transformar esse mercado em algo atual, capaz de assimilar os milhares de talentos espalhados pelo mundo, que estão na busca por um clube que pague bons salários?

Muitas dessas perguntas são frequentemente feitas por dezenas de atletas, que todos os dias entram em contato conosco e com outras empresas americanas, que trabalham com brasileiros que anseiam em vir jogar futebol profissional nos Estados Unidos.

ABAIXO ESTÃO AS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES E AS RESPOSTAS PARA ESSAS E MUITAS OUTRAS DÚVIDAS:

  • Eu queria jogar futebol aí nos Estados Unidos, só que eu tentei o visto e não consegui, o que posso fazer?
    – Os clubes daqui são basicamente como os clubes do Brasil, você precisa vir aqui e participar de uma peneira para poder ser analisado pelos técnicos locais. Se você não estiver aqui, não será testado, e se não estiver com o visto adequado, não poderá jogar por nenhum clube profissional nos Estados Unidos.

  • Tem algo que vocês possam fazer por mim?
    – Muito pouco basicamente. As leis que regem o fornecimento de visto são muito rígidas, não existe nenhuma forma de burlar ou facilitar o andamento normal do processo.

LEIA TAMBÉM: Por que a MLS não contrata jogadores pagando fortunas, como faz a China

  • Tem alguém que possa me ajudar com isso?
    – Existem empresas que promovem peneiras para esse fim. Você só conseguirá um visto, se estiver com a documentação necessária para comprovar que pode jogar nos EUA.




  • Vale a pena investir nisso, afinal, o custo para tirar o visto, mais a passagem, a hospedagem e a alimentação, tudo isso vai ser recompensado se eu for aprovado em uma peneira?
    – O mercado de futebol dos Estados Unidos ainda é muito amador, mesmo o profissional. Os salários pagos aos jogadores, são infinitamente mais baixos do que se paga no mercado brasileiro, europeu e asiático. Somente as grandes estrelas recebem bons salários, mesmo assim, grande parte disso é pago pelos patrocinadores.

LEIA TAMBÉM: Jogadoras da seleção feminina dos EUA entram com ação para exigir salários iguais aos dos homens

  • Se eu entrar com visto de turista e for aprovado em uma peneira, o clube providenciará a documentação para mudar o status do meu visto para o de atleta profissional ?

– Claro, o clube com certeza se encarregará disso. O visto mais tradicional para atletas profissionais que querem viver nos EUA em tempo integral e receber salário é o visto de P-1. Geralmente emitido para a duração da temporada ou pelo tempo do contrato, com prazo de até cinco anos. É renovável, sempre em função do novo prazo do contrato.

  • Como brasileiro, tenho fé no meu futebol. Acha que posso conseguir me destacar nas peneiras?
    – As peneiras são muito concorridas, com centenas de atletas de todas as partes do mundo brigando por pouquíssimas vagas. Muitos deles já com toda a documentação pronta. Só invista nisso, se você realmente confia no seu potencial.

LEIA TAMBÉM: Os melhores mercados do futebol nos Estados Unidos

  • Mas nos Estados Unidos se joga pouco futebol, por que as peneiras são tão concorridas?
    – Diferente do que se pensa, o futebol é o esporte mais praticado por crianças e adolescentes no Estados Unidos. Meninos e meninas lotam diariamente os milhares de campos de futebol, localizados em cada um das dezenas de parques públicos instalados em praticamente todas as cidades americanas, com infra estrutura de dar inveja aos principais clubes brasileiros. Porém, diferentemente dos outros países, aqui não se joga com intenção de virar um jogador profissional, mas sim em busca de uma bolsa de estudo.
    Mais de 90% dos atletas que atuam nas escolinhas e no futebol de base dos Estados Unidos, buscam princialmente, por uma forma de diminuir ou zerar o altíssimo custo do ensino das universidades.

  • Os jogadores de futebol conseguem ter uma vida boa nos EUA?
    – A grande maioria dos jogadores dos clubes da MLS, mesmo os que atuam como titulares nos principais times, moram em pequenos apartamentos, compartilhados com outros atletas, por que o salário não é bom o suficiente, nem para se manter sozinho…
  • Quanto ganha um jogador de futebol profissional nos Estados Unidos?
    – Um jogador que atua como titular em um dos grandes clubes americanos, ganha em média $90,000 por ano. Isso dá em torno de $7,000 por mês. Acha muito? Aqui os Estados Unidos você paga em média 30% de imposto sobre o seu salário, e não pense em sonegar, isso por aqui dá cadeia. Fora isso, você é obrigado a ter um plano de saúde, seguro de vida e do seu carro. Pois se você se machucar, terá que estar preparado, pois o custo de um atendimento médico aqui é muito, muito alto.. Por mês, depois de pagar todas as contas, o que vai sobrar para você gastar é em torno de $300 ou $500. Pense que um jogador no Brasil, na mesma situação ganha em torno de R$300.000,00 por mês. Ele ganha no mês o que um jogador americano ganha no ano.

CONCLUSÃO

Atualmente o mercado de futebol nos Estados Unidos não é uma boa opção para quem está em busca de alcançar a estabilidade financeira jogando futebol. Os salários pagos aqui são muito baixos e como todos sabem, jogador de futebol não tem uma vida longa como atleta. Tem por necessidade formar um bom patrimônio até antes de completar os 35 anos, ou em raríssimos casos, até os 40 anos de idade, para com esse capital, investir em outra atividade profissional após o final da carreira.

Mas para jovens jogadores, o mercado americano é um mercado extremamente interessante. Já que por aqui, a educação e o esporte andam absolutamente juntos, formando naturalmente dois profissionais de uma só vez. Todo atleta americano tem uma profissão extra na bagagem, pois é de dentro das universidades, que saem os grandes atletas.

Se você ainda tem alguma dúvida sobre o assunto, deixe sua pergunta em nossa área de comentários.


VIDA EUA: Como viajar dentro dos Estados Unidos

VIDA EUA: Os 10 maiores obstáculos para brasileiros que mudam para os Estados Unidos

Leia Também
Vídeos

Léo Azevedo, um dos maiores técnicos do tênis brasileiro, nos acompanhou na visita ao Centro de Tênis da USTA em Lake Nona na Florida. Conhecemos um pouco do que que é considerado o maior complexo do esporte no mundo, com um total 102 quadras, em um vestimento de mais de $60 milhões de dólares.

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!


 

Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Bruno Furtado

 

No primeiro vídeo da série “Brasileiros que Fazem a Diferença”, falamos com Márcia Romero que mora nos Estados Unidos desde 1996 e hoje está a frente da fundação PEOPLE WHO MAKE A DIFFERENCE. Esse projeto faz um belíssimo trabalho social com pessoas que precisam de suporte, principalmente na área de saúde em um grande trabalho angariando doações e orientando a quem precisa.

Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Jorge Lameiras

Inscreva-se em nosso canal !!!
Curta nossa página do FACEBOOK: https://www.facebook.com/futeboleua/

Assista ao Vídeo:

Estivemos no espaço que está sendo preparado para sediar o mais novo complexo de futebol de Orlando. A R9 Academy é uma franquia de futebol do ex-jogador Ronaldo Fenômeno e está quase pronta para ser inaugurada.
Vai ser a primeira da marca nos estados Unidos e será comandada pelo experiente coach Gustavo Brasil



Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Bruno Furtado

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!


VIDA EUA: Como morar barato nos Estados Unidos
VIDA EUA: Os 10 maiores obstáculos para brasileiros que mudam para os Estados Unidos
Voltar