Morre Kyara, a última orca nascida no SeaWorld


Com apenas três meses, animal teve uma infecção e não resistiu. Kyara era uma das 23 orcas que vivem em cativeiro nos Estados Unidos



Kyara, um bebê orca de três meses, morreu no parque aquático SeaWorld, em Orlando, na segunda-feira. O animal era a última orca nascida em cativeiro no parque, que encerrou seu programa de reprodução durante a gestação da mãe de Kyara.

A empresa que adminstra o parque, que fica em Orlando, na Flórida, afirmou em comunicado que, nos últimos três dias, Kyara estava com uma infecção (que os veterinários suspeitam que seja pneumonia) que vinha sendo tratada pelos especialistas. Mas, com a saúde frágil, não resistiu. Exames ainda serão realizados para determinar a causa exata da morte e os resultados devem sair em algumas semanas.

Segundo a nota, o bebê “enfrentou alguns problemas sérios de saúde na última semana e passou por tratamentos intensivos”. Apesar de a causa oficial da morte do animal só poder ser determinada após os novos exames, o parque informou que infecções, como pneumonia, são algumas das causas mais comuns de doença e morte de orcas e golfinhos (orcas fazem parte do grupo de golfinhos de grande porte), tanto os que vivem livremente quanto os confinados em aquários.

LEIA TAMBÉM: Heinz engana cidade de Chicago de forma inusitada



Última orca nascida em cativeiro no SeaWorld

A equipe de funcionários do SeaWord deve, a partir de agora, dedicar-se aos outros animais do parque, principalmente a mãe de Kyara, que se chama Takara e tem 26 anos. Por enquanto, nenhum outro animal apresentou sinais de doença, mas eles estão sendo monitorados pelos especialistas.

Kyara nasceu em abril, nas dependências do SeaWorld, e os biólogos e veterinários esperavam poder acompanhar e estudar o desenvolvimento do animal, para encontrar maneiras de preservar a espécie.

Segundo a Whales and Dolphins Conservation (WDC, na sigla em inglês), há 61 orcas vivendo em cativeiro ao redor do mundo, das quais 23 estão nos Estados Unidos – 22 delas nos parques SeaWorld. Dados apresentados pela organização mostram que a taxa de mortalidade para orcas que vivem em cativeiro é 2,5 vezes maior do que na natureza.

LEIA TAMBÉM: Como viajar dentro dos Estados Unidos

LEIA TAMBÉM: A fórmula da Disney para conquistar o mundo

No caso do SeaWorld, a WDC aponta que 92% dos animais que vivem nos parques não ultrapassam os 25 anos, enquanto no oceano a expectativa de vida chega até 50 anos. Além disso, os tanques costumam ser tão pequenos que seria necessário percorrer as distâncias de ponta a ponta 1.400 vezes para que as orcas nadassem o tanto que geralmente nadam na natureza.

Além disso, a vida em cativeiro faz com que todos machos e algumas fêmeas tenham uma deformação em sua barbatana dorsal, uma vez que as águas rasas fazem com que seu membro fique para fora e, consequentemente, sofra mais consequências da ação da gravidade.

Confira o vídeo divulgado pelo SeaWorld do nascimento de Kyara:




VIDA EUA: Como morar barato nos Estados Unidos

VIDA EUA: Os 10 maiores obstáculos para brasileiros que mudam para os Estados Unidos

Leia Também
Vídeos

No primeiro vídeo da série “Brasileiros que Fazem a Diferença”, falamos com Márcia Romero que mora nos Estados Unidos desde 1996 e hoje está a frente da fundação PEOPLE WHO MAKE A DIFFERENCE. Esse projeto faz um belíssimo trabalho social com pessoas que precisam de suporte, principalmente na área de saúde em um grande trabalho angariando doações e orientando a quem precisa.

Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Jorge Lameiras

Inscreva-se em nosso canal !!!
Curta nossa página do FACEBOOK: https://www.facebook.com/futeboleua/

Assista ao Vídeo:

Falamos com Mauricio Braz que é pós-graduado em psicologia positiva e utiliza seu conhecimento aliado a um sistema de NeuroTreinamento, para ajudar atletas a se desenvolverem mentalmente no esporte. Maurício ultiliza seu equipamento e suas técnicas no atleta Bruno Furtado, para mostrar como funciona o seu trabalho.

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!


Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Jorge Lameiras

O diretor das categorias de base do Orlando City, fala sobre o que espera para o futuro da Academia. David Longwell explica as várias etapas que um atleta das categorias tem que ultrapassar, para conseguir chegar até o time profissional

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!!

Na entrevista, perguntamos ao Diretor das Categorias de base do Orlando City, David Longweel, quais eram as expectativas do clube em relação ao futuro da Academia. Sobre os investimentos que estão sendo feitos e como é o processo para que um jogador da base chegue ao time principal do clube.

David respondeu:
– Já existe um bom projeto para isso no clube, nós tentamos levar jogadores para a Academia, da Academia eles vão para o time B do Orlando City e daí completam o processo chegando ao time da MLS.
Tem muito trabalho sendo feito por trás das cenas, o clube está investindo dinheiro pra tentar transformar nossa Academia em uma das melhores do país. E nós temos um objetivo de formar nossos próprios jogadores, nesse caso teremos jogadores mais novos no time principal.
Estou muito confiante que isso vai acontecer no futuro.

Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Karina Furtado

Como funciona o Auto Atendimento nos Estados Unidos. Canal EUA mostra que o “Self Checkout” é a forma mais comum de efetuar suas compras, você escolhe o produto e depois, você mesmo faz o pagamento no caixa de auto atendimento

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!


Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Jorge Lameiras

Voltar