Legalização da maconha está acabando com o tráfico, segundo dados do governo dos EUA

A legalização da maconha em diversos estados americanos – 26 dos 50 estados, além do Distrito de Columbia, já legalizaram a venda de alguma forma, sendo que 7 deles legalizaram tanto o uso medicinal quanto o recreativo – está acabando com o tráfico nas fronteiras do país. E essas mudanças acabam promovendo um efeito não esperado. O contrabando da maconha americana para o México. É o que estão chamando de contrabando inverso: agora a maconha vai dos EUA para o México




De acordo com dados oficiais da Patrulha de Fronteira dos EUA (U.S. Border Patrol) levantados pelo ILISP, as apreensões de maconha nas fronteiras americanas caíram de 2,5 milhões de libras (1147 toneladas) no ano fiscal de 2011 para cerca de 1,3 milhões de libras (587 toneladas) no ano fiscal de 2016.

LEIA TAMBÉM: Pular roleta do metrô de Nova York deixará de ser crime

Os dados confirmam que a concorrência com a produção legalizada americana está falindo os cartéis do México, de onde vem 99% da maconha traficada para os EUA. Na medida em que a produção legal tem aumentado em estados como Califórnia, Colorado e Washington, os preços da maconha têm caído no mercado paralelo, fazendo com que os produtores ilegais tenham que sair do mercado.

“Há dois ou três anos, um quilo de maconha valia de 60 a 90 dólares”, disse um produtor de maconha mexicano à NPR em dezembro de 2014. “Agora vale de 30 a 40 dólares. É uma grande diferença. Se os EUA continuarem legalizando a maconha (em mais estados), iremos à falência”, disse o produtor. E foi exatamente o que aconteceu nos últimos anos.






E não é apenas uma questão de preço, é de qualidade também. “A qualidade da maconha produzida no México e no Caribe é inferior à maconha produzida nos Estados Unidos, o que tem obrigado os cartéis mexicanos a produzirem maconha de melhor qualidade para competir no mercado”, diz o relatório de 2016 do Órgão de Combate às Drogas do país, o DEA (Drug Enforcement Administration).

LEIA TAMBÉM: Após atirar no próprio pênis, homem pode ser preso em Jacksonville

LEIA TAMBÉM: Homem mantém esposa morta em congelador por 8 anos para receber pensão

A queda nas apreensões nas fronteiras, entretanto, indica que os cartéis mexicanos não têm conseguido competir com a maconha legal americana. Foi fundamental para essa mudança a legalização da maconha medicinal no estado mais rico dos EUA, a California (feita de forma vaga em 1996 e definida em regras claras em 2003), a qual acaba suprindo parte do mercado de uso recreativo. Com a aprovação do uso recreativo na California no plebiscito de novembro de 2016 (com 57% dos votos a favor) e a legalização da maconha medicinal no México (em abril de 2017), além da legalização em outros estados americanos, a tendência é que o tráfico de maconha seja praticamente eliminado nos próximos anos.

Os cartéis mexicanos, entretanto, têm se mexido para sobreviver. Uma investigação do DEA apontou que os criminosos têm invertido o fluxo da venda, vendendo parte da maconha americana no México e buscado vender outras drogas que continuam ilegais como heroína e metanfetamina (em volume muito inferior à maconha). Em outras palavras, a realidade dos dados e a lógica econômica mostram que continua correta a argumentação liberal de que somente a liberação de todas as drogas – como era por toda a história da humanidade até o começo do Século XX e no Brasil até 1921 – pode acabar com os cartéis de criminosos que exploram o setor e levam medo e mortes a milhões de pessoas inocentes.





VIDA EUA: Nos Estados Unidos, existe preconceito com brasileiros?

VIDA EUA: 3 coisas que se aprende em 5 anos nos Estados Unidos

Leia Também
Vídeos

Quem assiste as novelas da Rede Globo nos últimos anos, conhece bem esse carro. Ele é sempre utilizado pelos protagonistas milionários quando estão indo ou vindo em alguma cena da novela. Mostramos em detalhes o preço e as características desse modelo que volta e meia aparece na sua telinha

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!


Apresentação – Ralf Furtado
Câmera – Jorge Lameiras

No Torneio da Florida 2016, Canal EUA Sports entrevistou Bruno Costa, diretor de Futebol do Fort Lauderdale Strikers ( Ex-observador da seleção Brasileira de Base ) e Ricardo Oliveira, CEO do Florida Cup, que nos passaram suas impressões sobre esse grande evento internacional realizado na Florida

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!


Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Jorge Lameiras

 

Falamos com Mauricio Braz que é pós-graduado em psicologia positiva e utiliza seu conhecimento aliado a um sistema de NeuroTreinamento, para ajudar atletas a se desenvolverem mentalmente no esporte. Maurício ultiliza seu equipamento e suas técnicas no atleta Bruno Furtado, para mostrar como funciona o seu trabalho.

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!


Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Jorge Lameiras

Futebol EUA foi conhecer a Fun Fest do Torneio da Florida – Florida Cup 2017. Esse espaço incrível, com direito a um palco para shows, é um excelente atrativo para quem quer se divertir com boa música em uma área cheia de lazer e boa gastronomia.
Falamos com Maurício Penha, que nos conta um pouco do que será esse evento.

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!


 

Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Jorge Lameiras

 

Canal EUA Sports acompanhou Ronaldinho Gaúcho, Ronaldo Fenômeno, Elias e D’Alessandro na participação da Disney Parade do evento especial da Florida Cup 2016. Fomos ao Magic Kingdom acompanhar a parada da Disney com os craques do futebol brasileiro

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!


Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Jorge Lameiras

Voltar