Ele tem 16 anos, lança a 94 milhas por hora, vale US$ 1,5 milhão e é do Brasil !!!

A espectiva de uma bola rápida de 150 km por hora é sempre motivo de atenção, mas quando vem de um menino de 16 anos de idade, de um país com pouca tradição de beisebol, isso chama muito mais atenção. O arremessador Eric Pardinho, de apenas 16 anos, foi contratado pelo Toronto Blue Jay




O Brasil já conseguiu ir longe no beisebol, um esporte distante das tradições do país. No dia 6 de julho, viveu um momento marcante quando Eric Pardinho, um menino de 16 anos de idade, assinou um robusto contrato com o Toronto Blue Jays, da MLB, a principal liga dos Estados Unidos. Ele iniciou um longo processo até ter a chance de jogar entre os melhores do mundo. Considerado um dos jovens mais promissores de sua geração, ele acertou um contrato de US$ 1,5 milhão.

LEIA TAMBÉM: Desde 2002, Brasil não fica tanto tempo sem jogador escolhido no Draft da NBA

Eric assinou contrato em um evento organizado no hotel Hilton, em São Paulo. Foi o maior bônus já recebido por um brasileiro. Antes, o recorde era de Luis Gohara, com US$ 880 mil na negociação para defender o Seattler Mariners, em agosto de 2012.

Pardinho foi monitorado por bastante tempo pela MLB. Produto do centro de treinamento de Ibiúna, ele consegue arremessos de mais de 150km/h e teve boa participação, atuando pela seleção brasileira nas eliminatórias do World Baseball Classic, em março deste ano, em Nova York. Onde muitos olheiros marcaram presença para confirmar a velocidade de sua bola, utilizando pistolas de radar de velocidade.






Nsse processo de evolução, Pardinho só estará liberado para atuar profissionalmente nas ligas menores organizadas pela MLB a partir de janeiro de 2018, quando ele completará 17 anos. A primeira parada deve ser a República Dominicana, em uma competição que conta apenas com calouros. Depois, o caminho segue para a A-Short, A, A-Advanced, Double A, Triple A e finalmente a MLB.

LEIA TAMBÉM: Brasileiro faz sucesso jogando apenas 10 Min por temporada na NFL

Pardinho segue o caminho tomado por Christian Pedrol, de 17 anos. Ele assinou contrato com o Seattle Mariners no dia 10 de maio deste ano e já está na República Dominicana para defender o clube que é braço do seu time na MLB, e se chama DSL Mariners.

O Brasil conta com uma série de jogadores nas ligas menores. O arremessador Thyago Vieira, também ligado aos Mariners, defende o Arkansas Travelers, da Double-A, e jogará o Future All-Stars, um dos eventos do fim de semana do All-Star Game da MLB, entre 9 e 11 de julho, em Miami.





VIDA EUA: Você sabe o que é uma Soccer Mom?

VIDA EUA: As maiores diferenças do futebol infantil nos Estados Unidos e no Brasil

 

Leia Também
Vídeos

Quais as grandes diferenças entre o trânsito no Brasil e nos Estados Unidos. Canal EUA mostra pra você, as principais características e as mais marcantes das regras do trânsito nos EUA quando comparado ao trânsito brasileiro

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!


Apesentação e Produção: Ralf Furtado

 

Falamos com Victor Pagliari Giro, mais conhecido como PC. Jogador que recentemente conquistou uma vaga no time titular do Orlando City, depois de passar por outros clubes dos Estados Unidos como o Fort Lauderdale Strikers e o Tampa Bay Rowdies. 

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!

  • PC você pode nos explicar o porque do apelido PC ?

– Bom, PC porque quando era garoto ainda, que jogava no Corinthians falavam que eu parecia outro jogador que o nome dele era Paulo César, aí como tinha essa semelhança minha com ele e até o jeito de jogar, canhoto a posição tudo, e aí começaram a me chamar de PC. E aí no começo eu até tentei mudar para deixar o meu nome mesmo, mas aí todo mundo começou a pegar PC, PC, PC… E aonde eu vou hoje, todo mundo me conhece como PC. Então hoje às vezes, quando me chamam pelo meu nome mesmo, até difícil eu atender, mas tranquilo, é um nome legal eu tô conseguindo levar bem.

  • Como é que se deu essa sua ascensão dentro do futebol americano, como é que você tá sentindo isso? Você acha que o mercado americano é um mercado interessante para para brasileiros que não tem espaço no Brasil, devido à concorrência, você acha que vale a pena investir aqui?

– Não só para brasileiros, mas como também para todo o jogador. Acho que o crescimento aqui no Estados Unidos está excelente, acho que em um futuro próximo vai estar uma liga brilhante. Já é uma liga muito boa, acho que com mais 3 ou 4 anos vai estar fantástica. Então acho que vale a pena sim, como tem muitos jogadores nomeados vindo para cá, como o Kaká, Schweinsteiger, entre outros. Então acho que tem tudo para para virar uma liga brilhante.

LEIA TAMBÉM: Quem é “PC”, jogador brasileiro em acensão no Orlando City?

Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Henrique Furtado

 

O que é o movimento?
Os idealizadores MANUEL FREDERICK & ANDREW TISBA ajudam a divulgar a ideia que a Conectividade Humana é a filosofia e os meios de ação do Movimento #letsALLconnect.

O Movimento quer espalhar o espírito paz no mundo, a fim de superar as nossas diferenças humanas através do toque humano para desenvolver a consciência para a Paz & Unidade e usar a tecnologia para o bem da humanidade.

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!


 

Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Bruno Furtado

O Orlando City jogou em casa contra o Chicago Fire, time do atual do alemão Bastian Schweinsteiger, meio-campo da seleção da Alemanha campeã mundial da Copa do Mundo do Brasil de 2014. O jogo terminou 0x0 com o Orlando jogando grande parte da partida com 1 jogador a menos, devido a expulsão injusta, ainda no primeiro tempo, do zagueiro Rafael Ramos, após uma falta aos 26 min do primeiro tempo.
Falamos com a líbero da seleção brasileira do vólei, Camila Brait e com Gustavo Brasil, diretor técnico da R9 de Orlando

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!

Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Karina Furtado

 

Voltar