Como montar uma equipe na MLS? Profe Osorio dá as dicas

Técnico da seleção mexicana e não tão velho conhecido da torcida são-paulina, Juan Carlos Osorio esteve nos Estados Unidos na última semana para promover os amistosos do México que lá acontecerão antes da Copa América Centenário. O treinador aproveitou a ida ao país vizinho para visitar o Atlanta United, clube com pouco tempo de existência e que está previsto para estrear na Major League Soccer ano que vem. Lá, concedeu uma entrevista ao The Atlanta Journal-Constitution e foi questionado como ele montaria o elenco do Atlanta caso fosse técnico do time.

Osorio em visita ao Atlanta United (Foto: The Atlanta Journal-Constitution)

Quando o assunto é futebol dos Estados Unidos, o Profe sabe bem o que dizer. Isso porque Osorio passou alguns anos de sua vida atuando na terra do Tio Sam. Primeiro, ele jogou futebol pela universidade na Universidade de New Heaven, entre 1985 e 1986. Depois, se formou em Ciência do Exercício na Southern Connecticut State University, em 1990. Foi auxiliar técnico no Staten Island Vipers, já no final dos anos 1990. Como treinador, Osorio trabalhou no Chicago Fire em 2007 e conquistou o título da Conferência Leste pelo Red Bull New York em 2008.

Dito isso, é importante lembrar que a MLS tem uma política restrita para montar elenco. O elenco pode ter até 28 jogadores, sendo que os 20 primeiros são os considerados do elenco principal. Para estes 20 jogadores, há uma folha salarial máxima de 3.660.000 dólares por ano. O time pode ter o mínimo de 18 jogadores e gastar esse orçamento com os 18 jogadores ao invés de 20. O salário de cada um dos jogadores não pode ultrapassar o teto de 457.500 dólares por ano. Cada time pode ter três jogadores designados que não possuem limite salarial. Estes três contarão, para a folha salarial, como recebendo 457.500 dólares por ano, que é o teto.

Os times têm algum dinheiro para usar como alocação para compensar e aumentar o salários dos jogadores, mas de forma geral, é assim que funciona. Por isso, montar um elenco na MLS não é uma tarefa muito fácil. Afinal, é preciso equilibrar as contas e o elenco. É também por isso que vemos jogadores do nível de Kaká, com o maior salário das Américas no futebol.

Conhecido por apostar em escalações ousadas e improvisações, o Profe conta como construiria a equipe do clube norte-americano:

Se eu pudesse escolher e trazer um goleiro, traria Alfredo Talavera, do Toluca. A partir disso que eu começaria a montar a equipe. Meus laterais provavelmente seriam americanos. Meu zagueiro canhoto seria estrangeiro, porque aqui não há tantos. Como volante, talvez Michael Bradley. E um candidato para ser centroavante seria Zlatan Ibrahimovic. Ter um renomado jogador em uma cidade como Atlanta seria bom não só para a equipe, como para ele também. Quanto aos pontas, gostaria que fossem da América do Sul, onde o mercado é acessível. Quando penso em construir uma equipe do zero, vejo uma oportunidade grandiosa. Eu a armaria ao redor da minha ideia de como se deve jogar. Não existe uma só maneira. Há um plano A e um plano B. Por isso eu apostaria em um centroavante grande e alto, e que pode segurar a bola. Tem que ter jogadores rápidos no ataque, mas também é necessário contar com alguém que segure a bola. Essa é a minha combinação.

Ao contrário do que viveu no São Paulo, onde não montou o elenco, Osorio pode escolher os jogadores mexicanos com quem quer trabalhar e, nessa hipótese de montar um time da MLS, teria que escolher um por um todos os jogadores do elenco, já que o time seria criado do zero. No São Paulo, mesmo sem montar o elenco, ele conseguiu mostrar uma ideia de jogo que foi reconhecida pela maior parte da torcida. No México, ele também vai muito bem.

Voltar