Como é o atendimento médico nos Estados Unidos

O nível dos hospitais é sempre bom ou de excelente qualidade, porém o atendimento e o serviço são um pouco diferente do Brasil




A saúde pública americana gira em torno dos planos de saúde, pois o atendimento é pago em todos os hospitais. Nenhum cidadão tem garantia de saúde gratuita por ser americano, todos precisam ter um plano de saúde, para poder ser atendido. Esses planos podem ser muito caros ou gratuítos em casos específicos.

São três os sistemas de saúde que oferecem plananos gratuítos, e eles são públicos. O Medicaid, o Medicare e o Veterans Affairs, que foram criados para amparar os idosos (Medicare), a população de baixa renda (Medicaid) e os militares aposentados (Veterans Affairs).

Em 2010, durante o exercício do presidente Barack Obama, o governo criou o Affordable Care Act (Lei de Proteção ao Paciente e de Assistência Acessível), mais conhecido como ObamaCare. A lei exigia que todos os cidadãos americanos ou estrangeiros tenham um plano de saúde, sob pena de multa de U$95,00 em 2014, subindo para U$695,00 em 2016.

No Obama Care os mais pobres que se declararem incapazes de arcar com os custos dos planos, receberão subsídios do governo federal, que podem chegar a 90% do valor da mensalidade.

LEIA TAMBÉM: Mudança de comportamento nos jovens afeta mercado imobiliário

Muitos tem a impressão de que o sistema de saúde funciona muito bem nos EUA, mas não é bem assim, de acordo com a WHO (World Health Organization), os EUA ocupam a 37ª posição no ranking que mede a performance dos sistemas de saúde no mundo.

Se você está de mudança para os Estados Unidos e ainda não providenciou um plano de saúde, você pode utilizar um Seguro Viagem comprado no Brasil para não ficar descoberto durante o período inicial.

Nenhum hospital dos Estados unidos recusa atendimento a pacientes, mas é bom estar preparado. Caso você não tenha um plano de saúde, terá que pagar valores realmente muito altos pelo seu atendimento.

Para se ter uma ideia, o custo de internação em um hospital pode chegar a U$10 mil por dia e um simples braço quebrado a U$4 mil.



VIDA EUA: Como morar barato nos Estados Unidos

VIDA EUA: Os 10 maiores obstáculos para brasileiros que mudam para os Estados Unido

Leia Também
Vídeos

A Florida Cup organizou um incrível evento que reuniu grandes feras brasileira do futebol e do automobilismo. Com a presença do piloto Rubens Barrichello, do ex jogador Rivaldo e do Youtuber Fabio Brazza que fez um RAP para o Futebol EUA durante o evento chamado no Brasil de Torneio da Florida.

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!

Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Jorge Lameiras

 

 

O Orlando City jogou em casa contra o Chicago Fire, time do atual do alemão Bastian Schweinsteiger, meio-campo da seleção da Alemanha campeã mundial da Copa do Mundo do Brasil de 2014. O jogo terminou 0x0 com o Orlando jogando grande parte da partida com 1 jogador a menos, devido a expulsão injusta, ainda no primeiro tempo, do zagueiro Rafael Ramos, após uma falta aos 26 min do primeiro tempo.
Falamos com a líbero da seleção brasileira do vólei, Camila Brait e com Gustavo Brasil, diretor técnico da R9 de Orlando

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!

Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Karina Furtado

 

O diretor das categorias de base do Orlando City, fala sobre o que espera para o futuro da Academia. David Longwell explica as várias etapas que um atleta das categorias tem que ultrapassar, para conseguir chegar até o time profissional

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!!

Na entrevista, perguntamos ao Diretor das Categorias de base do Orlando City, David Longweel, quais eram as expectativas do clube em relação ao futuro da Academia. Sobre os investimentos que estão sendo feitos e como é o processo para que um jogador da base chegue ao time principal do clube.

David respondeu:
– Já existe um bom projeto para isso no clube, nós tentamos levar jogadores para a Academia, da Academia eles vão para o time B do Orlando City e daí completam o processo chegando ao time da MLS.
Tem muito trabalho sendo feito por trás das cenas, o clube está investindo dinheiro pra tentar transformar nossa Academia em uma das melhores do país. E nós temos um objetivo de formar nossos próprios jogadores, nesse caso teremos jogadores mais novos no time principal.
Estou muito confiante que isso vai acontecer no futuro.

Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Karina Furtado

Voltar