Boom do futebol nos EUA atinge até as divisões inferiores

Quando o campeonato de futebol de 2014 da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, terminou, Mikey Ambrose decidiu começar sua carreira profissional mais cedo. Embora se sentindo atraído pela Europa e pela Major League Soccer, principal divisão de futebol da América do Norte, o zagueiro júnior de El Paso, no Texas, acabou se unindo ao Austin Aztex, um time novo da terceira divisão, a United Soccer League.

Jogadores do Armada FC, equipe de futebol recém criada nos EUA, celebram o primeiro gol da história do time, contra o Philadelphia Union, em jogo disputado em fevereiro. O Armada venceu por 3 x 1.Jogadores do Armada FC, equipe de futebol recém criada nos EUA, celebram o primeiro gol da história do time, contra o Philadelphia Union, em jogo disputado em fevereiro. O Armada venceu por 3 x 1

Ver uma aclamada promessa americana como Ambrose, há muito tempo membro das equipes nacionais juniores dos Estados Unidos, deixar a faculdade e entrar para as divisões americanas mais baixas seria impensável pouco tempo atrás.

A crescente popularidade do futebol profissional nos EUA e Canadá provocou uma explosão de novos times masculinos. Os melhores jogadores estão obviamente na MLS, que está lançando novos times em Nova York e Orlando e vem atraindo importantes jogadores americanos e estrangeiros.

O brasileiro Kaká, por exemplo, recentemente se mudou para a Flórida, onde vai jogar pelo Orlando City SC, time que estreia nesta temporada na MLS.

Kaká foi apresentado ao seu novo time, Orlando City da Flórida

O astro inglês David Beckham jogou pelo Los Angeles Galaxy, também da MLS, entre 2007 e 2012. Após se aposentar do futebol, em 2013, ele comprou uma equipe da MLS em Miami.

Mas o crescimento está em todos os lugares, inclusive nas ligas profissionais inferiores, que também estão se expandindo rapidamente.

A segunda divisão, a North American Soccer League (ou Liga de Futebol Norte-Americana, em tradução livre), ganhou duas novas equipes no ano passado e outra será lançada este ano, totalizando 11. A USL, depois de lançar quatro times em 2014, terá mais 13 este ano, elevando o total para 24. Outras equipes novas devem ser lançadas em 2016 nessas duas divisões, que estão entrando na sua quinta temporada.

O astro inglês David Beckham que jogou pelo Los Angeles Galaxy

“Há muita exuberância e otimismo no mercado. É uma coisa boa”, diz Sunil Gulati, presidente da U.S. Soccer, a agência que administra o esporte nos EUA.

A MLS é uma dos principais incentivadoras da expansão das divisões mais baixas. A liga, que está entrando em sua vigésima temporada, pode crescer de 20 para 24 equipes até o fim da década, e proprietários de equipes das divisões inferiores esperam estar na nova onda de expansão. Ao contrário da Europa e outros lugares como o Brasil, os clubes americanos não se movimentam entre as divisões através de vitórias e derrotas. Em vez disso, eles se candidatam para entrar em determinada divisão, o que é aprovado ou não pela U.S. Soccer.

Equipes com aspiração à liga principal, a MLS, têm modelos como a nova franquia Orlando City, que passou as últimas quatro temporadas na USL. A Sacramento Republic, que ganhou no ano passado o título da USL em sua primeira temporada e possui uma média de 11 mil fãs, recentemente anunciou investimentos dos proprietários do San Francisco 49ers, da NFL, a Liga Nacional de Futebol Americano, e do Sacramento Kings, da NBA, a liga de basquete dos EUA. Há muito tempo que as ambições de seus executivos de entrar na MLS são conhecidas.

O proprietário do Aztex, Rene van de Zande, possui objetivos semelhantes. “Nos próximos três a cinco anos, esperamos que haja mais oportunidades” para entrar na MLS, diz ele.

Oito times da MLS lançaram equipes na USL, dando a elas mais flexibilidade para adquirir e mudar os jogadores de posição. A atual campeã da MLS, o Los Angeles Galaxy, foi a primeira a fazer isso na temporada passada. Sua equipe, conhecida como Los Dos, atraiu pouco público, mas vários candidatos viram o potencial de entrar para um segundo time e, mais tarde, jogaram na MLS. “Seu desenvolvimento foi a um passo muito mais rápido do que seria se treinassem no time da primeira divisão”, diz Chris Klein, presidente do Galaxy.

A MLS não é o único motor de crescimento das divisões inferiores. Mark Frisch, proprietário da equipe Armada FC, de Jacksonville, disse que ele tinha a liga em mente quando criava uma equipe, mas no fim escolheu a NASL, a segunda divisão. “Eu realmente gosto da oportunidade que a liga oferece”, diz ele.

Os proprietários conectados regionalmente que amam futebol e conhecem seus mercados são essenciais para o futuro da NASL, segundo o comissário Bill Peterson. “Eles entendem qual é a nossa visão e concordam com ela”, diz. “E eles são passionais sobre o jogo em todos os níveis.”

Bill Peterson é comissário da NASL (North American Soccer League)

A NASL pretende chegar a 18 equipes por volta de 2018, de acordo com Peterson. “Estamos crescendo rapidamente”, diz. “Eu não acho que é rápido demais.” A USL, por sua vez, pode chegar a 40 times até o fim da década, diz o presidente Tim Holt.

A USL informou recentemente por meio de um anúncio que pretende solicitar à U.S. Soccer a aprovação da segunda divisão a partir da temporada de 2017, o que exigirá que os times tenham níveis financeiros, organizacionais e compromissos competitivos maiores, mas isso também deverá aumentar os patrocínios e os investidores, assim como o interesse dos jogadores.

Os fãs, calculados pelo número de público nos jogos da liga, estão respondendo. Com a ajuda da equipe Indy Eleven, que atraiu mais de 10 mil pessoas por jogo no ano passado, a média da NASL foi de 5.500 pessoas, a maior das quatro temporadas. A média de público na USL, de 3.100 por jogo, foi a maior em quatro anos.

Apesar disso, alguns times estão em dificuldades. O Dayton, clube da USL, caiu para a divisão amadora este ano, assim como a equipe de Charlotte, embora outra organização mais tarde tenha criado um novo time profissional lá. A equipe de Harrisburg está contemplando uma mudança como uma possível solução para os problemas relacionados com estádios.

Gulati, o presidente da U.S. Soccer, diz que considera o que está acontecendo no futebol como um período de crescimento. “Mas eu defino assim com cautela”, diz.

Leia Também
Vídeos

 

Futebol EUA esteve na partida que o Bayer Leverkusen venceu o Atlético MG por 1 x 0 em suas primeiras partidas da Florida Cup 2017. Falamos com Ricardo Silveira, sócio-fundador do evento, sobre o que esperar desse e dos próximos torneios realizados pela sua equipe.

Futebol EUA was in the match that Bayer Leverkusen beat Atlético MG by 1-0 in their first matches of the 2017 Florida Cup. We spoke with Ricardo Silveira, founding partner of the event, about what to expect from this and upcoming tournaments held by his team .

Apresentação – Ralf Furtado
Câmera – Jorge Lameiras

Inscreva-se em nosso Canal !!!
Visite-nos no Facebook: https://www.facebook.com/futeboleua/

Você chega, diz a marca, o modelo e o ano do carro que você precisa das peças, retira o ticket com a localização dos veículos e pronto. Leve sua mala de ferramentas e retire você mesmo a peça que você precisa. o Local se chama U Pull & Pay, que significa, você pega e paga, e é assim mesmo, um self-service de peças usadas. No final, antes de sair, você mostra o que você retirou e faz o pagamento das peças. O preço é muito bom, bem mais em conta do que nos ferro-velhos comuns.

Apresentação – Ralf Furtado
Câmera – Jorge Lameiras

Visite nosso site: http://www.futeboleua.com
Visite-nos no Facebook: https://www.facebook.com/CanalEUA/

Ferro-Velho

No primeiro vídeo da série “Brasileiros que Fazem a Diferença”, falamos com Márcia Romero que mora nos Estados Unidos desde 1996 e hoje está a frente da fundação PEOPLE WHO MAKE A DIFFERENCE. Esse projeto faz um belíssimo trabalho social com pessoas que precisam de suporte, principalmente na área de saúde em um grande trabalho angariando doações e orientando a quem precisa.

Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Jorge Lameiras

Inscreva-se em nosso canal !!!
Curta nossa página do FACEBOOK: https://www.facebook.com/futeboleua/

Assista ao Vídeo:

Voltar