Boom do futebol nos EUA atinge até as divisões inferiores

Quando o campeonato de futebol de 2014 da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, terminou, Mikey Ambrose decidiu começar sua carreira profissional mais cedo. Embora se sentindo atraído pela Europa e pela Major League Soccer, principal divisão de futebol da América do Norte, o zagueiro júnior de El Paso, no Texas, acabou se unindo ao Austin Aztex, um time novo da terceira divisão, a United Soccer League.

Jogadores do Armada FC, equipe de futebol recém criada nos EUA, celebram o primeiro gol da história do time, contra o Philadelphia Union, em jogo disputado em fevereiro. O Armada venceu por 3 x 1.Jogadores do Armada FC, equipe de futebol recém criada nos EUA, celebram o primeiro gol da história do time, contra o Philadelphia Union, em jogo disputado em fevereiro. O Armada venceu por 3 x 1

Ver uma aclamada promessa americana como Ambrose, há muito tempo membro das equipes nacionais juniores dos Estados Unidos, deixar a faculdade e entrar para as divisões americanas mais baixas seria impensável pouco tempo atrás.

A crescente popularidade do futebol profissional nos EUA e Canadá provocou uma explosão de novos times masculinos. Os melhores jogadores estão obviamente na MLS, que está lançando novos times em Nova York e Orlando e vem atraindo importantes jogadores americanos e estrangeiros.

O brasileiro Kaká, por exemplo, recentemente se mudou para a Flórida, onde vai jogar pelo Orlando City SC, time que estreia nesta temporada na MLS.

Kaká foi apresentado ao seu novo time, Orlando City da Flórida

O astro inglês David Beckham jogou pelo Los Angeles Galaxy, também da MLS, entre 2007 e 2012. Após se aposentar do futebol, em 2013, ele comprou uma equipe da MLS em Miami.

Mas o crescimento está em todos os lugares, inclusive nas ligas profissionais inferiores, que também estão se expandindo rapidamente.

A segunda divisão, a North American Soccer League (ou Liga de Futebol Norte-Americana, em tradução livre), ganhou duas novas equipes no ano passado e outra será lançada este ano, totalizando 11. A USL, depois de lançar quatro times em 2014, terá mais 13 este ano, elevando o total para 24. Outras equipes novas devem ser lançadas em 2016 nessas duas divisões, que estão entrando na sua quinta temporada.

O astro inglês David Beckham que jogou pelo Los Angeles Galaxy

“Há muita exuberância e otimismo no mercado. É uma coisa boa”, diz Sunil Gulati, presidente da U.S. Soccer, a agência que administra o esporte nos EUA.

A MLS é uma dos principais incentivadoras da expansão das divisões mais baixas. A liga, que está entrando em sua vigésima temporada, pode crescer de 20 para 24 equipes até o fim da década, e proprietários de equipes das divisões inferiores esperam estar na nova onda de expansão. Ao contrário da Europa e outros lugares como o Brasil, os clubes americanos não se movimentam entre as divisões através de vitórias e derrotas. Em vez disso, eles se candidatam para entrar em determinada divisão, o que é aprovado ou não pela U.S. Soccer.

Equipes com aspiração à liga principal, a MLS, têm modelos como a nova franquia Orlando City, que passou as últimas quatro temporadas na USL. A Sacramento Republic, que ganhou no ano passado o título da USL em sua primeira temporada e possui uma média de 11 mil fãs, recentemente anunciou investimentos dos proprietários do San Francisco 49ers, da NFL, a Liga Nacional de Futebol Americano, e do Sacramento Kings, da NBA, a liga de basquete dos EUA. Há muito tempo que as ambições de seus executivos de entrar na MLS são conhecidas.

O proprietário do Aztex, Rene van de Zande, possui objetivos semelhantes. “Nos próximos três a cinco anos, esperamos que haja mais oportunidades” para entrar na MLS, diz ele.

Oito times da MLS lançaram equipes na USL, dando a elas mais flexibilidade para adquirir e mudar os jogadores de posição. A atual campeã da MLS, o Los Angeles Galaxy, foi a primeira a fazer isso na temporada passada. Sua equipe, conhecida como Los Dos, atraiu pouco público, mas vários candidatos viram o potencial de entrar para um segundo time e, mais tarde, jogaram na MLS. “Seu desenvolvimento foi a um passo muito mais rápido do que seria se treinassem no time da primeira divisão”, diz Chris Klein, presidente do Galaxy.

A MLS não é o único motor de crescimento das divisões inferiores. Mark Frisch, proprietário da equipe Armada FC, de Jacksonville, disse que ele tinha a liga em mente quando criava uma equipe, mas no fim escolheu a NASL, a segunda divisão. “Eu realmente gosto da oportunidade que a liga oferece”, diz ele.

Os proprietários conectados regionalmente que amam futebol e conhecem seus mercados são essenciais para o futuro da NASL, segundo o comissário Bill Peterson. “Eles entendem qual é a nossa visão e concordam com ela”, diz. “E eles são passionais sobre o jogo em todos os níveis.”

Bill Peterson é comissário da NASL (North American Soccer League)

A NASL pretende chegar a 18 equipes por volta de 2018, de acordo com Peterson. “Estamos crescendo rapidamente”, diz. “Eu não acho que é rápido demais.” A USL, por sua vez, pode chegar a 40 times até o fim da década, diz o presidente Tim Holt.

A USL informou recentemente por meio de um anúncio que pretende solicitar à U.S. Soccer a aprovação da segunda divisão a partir da temporada de 2017, o que exigirá que os times tenham níveis financeiros, organizacionais e compromissos competitivos maiores, mas isso também deverá aumentar os patrocínios e os investidores, assim como o interesse dos jogadores.

Os fãs, calculados pelo número de público nos jogos da liga, estão respondendo. Com a ajuda da equipe Indy Eleven, que atraiu mais de 10 mil pessoas por jogo no ano passado, a média da NASL foi de 5.500 pessoas, a maior das quatro temporadas. A média de público na USL, de 3.100 por jogo, foi a maior em quatro anos.

Apesar disso, alguns times estão em dificuldades. O Dayton, clube da USL, caiu para a divisão amadora este ano, assim como a equipe de Charlotte, embora outra organização mais tarde tenha criado um novo time profissional lá. A equipe de Harrisburg está contemplando uma mudança como uma possível solução para os problemas relacionados com estádios.

Gulati, o presidente da U.S. Soccer, diz que considera o que está acontecendo no futebol como um período de crescimento. “Mas eu defino assim com cautela”, diz.

Leia Também
Vídeos

No Torneio da Florida 2016 entrevistamos os técnicos Ney Franco e Adílson Batista, que falam com o Futebol EUA sobre sua visão do mercado de futebol dos Estados Unidos. A aínda, o jogador Vitinho do Internacional e o Youtuber Fred B12

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!


Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Jorge Lameiras

Canal EUA acompanhou a inauguração de mais uma loja do supermercado Walmart, em Lake Mary na Florida. Esse é um formato novo de lojas que a rede tem implementado, são lojas menores chamadas Walmart Neighbood, “Walmart de bairro”. Estivemos lá para mostrar o cuidado e a organização de um evento tradicional, mas que por aqui ganha produção de super evento




Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Bruno Furtado



VIDA EUA: Como morar barato nos Estados Unidos

VIDA EUA: Os 10 maiores obstáculos para brasileiros que mudam para os Estados Unidos

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!

Falamos com Victor Pagliari Giro, mais conhecido como PC. Jogador que recentemente conquistou uma vaga no time titular do Orlando City, depois de passar por outros clubes dos Estados Unidos como o Fort Lauderdale Strikers e o Tampa Bay Rowdies. 

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!

  • PC você pode nos explicar o porque do apelido PC ?

– Bom, PC porque quando era garoto ainda, que jogava no Corinthians falavam que eu parecia outro jogador que o nome dele era Paulo César, aí como tinha essa semelhança minha com ele e até o jeito de jogar, canhoto a posição tudo, e aí começaram a me chamar de PC. E aí no começo eu até tentei mudar para deixar o meu nome mesmo, mas aí todo mundo começou a pegar PC, PC, PC… E aonde eu vou hoje, todo mundo me conhece como PC. Então hoje às vezes, quando me chamam pelo meu nome mesmo, até difícil eu atender, mas tranquilo, é um nome legal eu tô conseguindo levar bem.

  • Como é que se deu essa sua ascensão dentro do futebol americano, como é que você tá sentindo isso? Você acha que o mercado americano é um mercado interessante para para brasileiros que não tem espaço no Brasil, devido à concorrência, você acha que vale a pena investir aqui?

– Não só para brasileiros, mas como também para todo o jogador. Acho que o crescimento aqui no Estados Unidos está excelente, acho que em um futuro próximo vai estar uma liga brilhante. Já é uma liga muito boa, acho que com mais 3 ou 4 anos vai estar fantástica. Então acho que vale a pena sim, como tem muitos jogadores nomeados vindo para cá, como o Kaká, Schweinsteiger, entre outros. Então acho que tem tudo para para virar uma liga brilhante.

LEIA TAMBÉM: Quem é “PC”, jogador brasileiro em acensão no Orlando City?

Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Henrique Furtado

 

Canal EUA Sports acompanhou Ronaldinho Gaúcho, Ronaldo Fenômeno, Elias e D’Alessandro na participação da Disney Parade do evento especial da Florida Cup 2016. Fomos ao Magic Kingdom acompanhar a parada da Disney com os craques do futebol brasileiro

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!


Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Jorge Lameiras

Voltar