A bolha está se formando e, quando estourar, será o pior “crash” da minha vida, alerta Jim Rogers

Para ele, algumas ações dos Estados Unidos estão entrando em uma bolha e, quando estourar, as bolsas vão desabar e será o pior “crash” dos seus 74 anos de vida

 

O mercado acionário americano vai colapsar e isso não vai demorar muito – algo entre o final de 2017 e 2018, alerta o lendário gestor Jim Rogers – famoso não apenas por sua presciência em relação ao colapso econômico global e ao “boom” das commodities, mas por retornos miraculosos no hedge fund Quantum Fund de 4.200% em seus primeiros dez anos de vida, contra apenas 47% do índice S&P 500 no mesmo período. Para ele, algumas ações dos Estados Unidos estão entrando em uma bolha e, quando estourar, as bolsas vão desabar e será o pior “crash” dos seus 74 anos de vida.

LEIA TAMBÉM: Após plebicito, Porto Rico decide ser 51º estado americano; medida depende de aprovação dos EUA

Em entrevista ao programa “The Bottom Line”, da Business Insider, Rogers disse que a enorme acumulação de dívidas e as avaliações de ativos injustificadamente altas tornaram a economia global ainda mais vulnerável do que em 2008, e que o próximo “crash” será o maior da sua vida.

Segundo ele, os bancos centrais incentivaram esse comportamento através de uma expansão sem precedentes de seus balanços, citando que o balanço do Federal Reserve aumentou sozinho em cinco vezes desde a crise de 2008.

Ele comentou também sobre crescimento explosivo da dívida da China, segunda maior economia do mundo. “Em 2008, os chineses economizaram muito dinheiro para um dia chuvoso. Começou a chover. Começaram a gastar o dinheiro. Agora, os mesmos chineses têm dívidas e a dívida é muito maior (…) Vai ser o pior crash da sua vida – da minha vida também. Preocupe-se”, disse o gestor durante a entrevista.

LEIA TAMBÉM: Novo voo da United Airlines será mais o longo do mundo

Questionado sobre o que poderia ser feito, Rogers comenta que o Fed vai tentar aumentar um pouco mais as taxas de juros. Mas, “quando as coisas começam a ficar realmente ruins, as pessoas vão ligar e dizer: ‘Você deve me salvar. É civilização ocidental. Ele vai entrar em colapso’. E o Fed, formado por burocratas e políticos, dirá: ‘Bem, é melhor fazer alguma coisa’. E eles vão tentar, mas não vai funcionar. Não vai funcionar dessa vez”.

Ele complementa: “Você vai ver os governos falharem. Você vai ver os países falharem, desta vez. A Islândia falhou na última vez. Outros países falharam. Você vai ver mais disso (…) Você vai ver instituições que existem há muito tempo – Lehman Brothers tinha cerca de 150 anos – desaparecerem”.

A análise de Rogers soma-se ao coro pessimista de outros grandes nomes do mercado. Na semana passada, Marc Faber, que apontou para a formação de uma “bolha” nas bolsas americanas e Bill Gross disse que o risco do mercado acionário é o mais alto desde o pré-crise de 2008.

VIDA EUA: A importância de continuar falando Português nos Estados Unidos

VIDA EUA: 3 coisas que se aprende em 5 anos nos Estados Unidos

 

Leia Também
Vídeos

O Orlando City jogou em casa contra o Chicago Fire, time do atual do alemão Bastian Schweinsteiger, meio-campo da seleção da Alemanha campeã mundial da Copa do Mundo do Brasil de 2014. O jogo terminou 0x0 com o Orlando jogando grande parte da partida com 1 jogador a menos, devido a expulsão injusta, ainda no primeiro tempo, do zagueiro Rafael Ramos, após uma falta aos 26 min do primeiro tempo.
Falamos com a líbero da seleção brasileira do vólei, Camila Brait e com Gustavo Brasil, diretor técnico da R9 de Orlando

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!

Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Karina Furtado

 

O mundo dos Muscle Cars deu um salto de potência, com a chegada da nova versão de dois dos mais tradicionais carros dos Estados Unidos. Os novos Dodge Charger e Challenger Hellcat, chegam ao mercado em suas versões 2017 apresentados em detalhes pelo Canal EUA

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!

Apresentação – Ralf Furtado
Câmera – Jorge Lameiras

 

Voltar