99% dos ex-jogadores da NFL têm lesões cerebrais, revela estudo

Pesquisa sobre as consequências do futebol americano agita o debate sobre sequelas a longo prazo




O consenso crescente sobre os danos neurológicos em longo prazo produzidos pelo futebol americano recebeu um novo apoio nesta terça-feira. Um estudo publicado no Journal of American Medical Association constatou lesões cerebrais em 110 de 111 cérebros doados por ex-jogadores da NFL, a liga profissional norte-americana. Embora as conclusões não possam ser extrapoladas para todos os praticantes do esporte mais popular nos Estados Unidos, é a maior amostra estudada até hoje.

LEIA TAMBÉM: Dagoberto acerta com time de São Francisco

A doença conhecida como Encefalopatia Traumática Crônica (ETC) é uma enfermidade degenerativa relacionada com choques na região da cabeça. Também é conhecida como demência pugilística porque começou a ser estudada como uma consequência de boxe. A discussão sobre sua relação direta com a prática do futebol americano começou há pouco mais de uma década como consequência de um estudo envolvendo ex-jogadores com problemas mentais depois da aposentadoria. As consequências podem surgir anos depois dos choques.

No total, o estudo examinou 202 cérebros de pessoas mortas que jogaram em alguma categoria do futebol americano, da escola à NFL, depois dos anos 60. A ETC está presente em 87% deles, 177. Entre aqueles que chegaram a jogar como profissionais, a proporção é superior a 99%. Em alguns casos, os pesquisadores tinham apenas o cérebro. Nos mais recentes, também dispunham de entrevistas sobre o comportamento geral da pessoa e outro tipo de experiências com possíveis consequências traumáticas, como ter estado no Exército.

O estudo encontrou evidências de ETC em 21% dos 14 que tinham jogado na escola, em 91% dos 54 que jogaram na universidade, em 64% de uma amostra de 14 que jogaram como semiprofissionais e em 7 dos 8 que atuaram na liga canadense.




O novo estudo publicado na terça-feira foi feito por pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Boston e do Hospital de Veteranos de Boston. É a maior amostra estudada até o momento. Os cérebros estudados estão depositados em um banco de cérebros de Boston administrado pelas duas instituições e criado em 2008 para estudar essa questão.

LEIA TAMBÉM: Ele tem 16 anos, lança a 94 milhas por hora, vale US$ 1,5 milhão e é do Brasil !!!

LEIA TAMBÉM: Ibrahimovic recusa proposta de 6,8 milhões de euros do LA Galaxy

O estudo adverte que essa é uma das razões pelas quais não se pode concluir com absoluta segurança que jogar futebol americano está diretamente relacionado com a ETC. Os cérebros estudados são de pessoas que os doaram para a ciência precisamente porque suspeitavam que algo errado estava acontecendo, o que faz com que a amostra apresente um desvio. Além disso, a doença só pode ser diagnosticada com segurança total em um exame post-mortem. Os autores do estudo não podem extrapolar as conclusões para todos os jogadores de futebol americano.

A conclusão do relatório se limita a dizer que “em uma amostra de jogadores de futebol americano mortos que doaram seus cérebros para a pesquisa, uma alta proporção tinha provas neuropatológicas de ETC, sugerindo que a ETC pode estar relacionada com a prática do futebol americano”.

A NFL está em pré-temporada no momento e prestes a começar a competição. A liga nacional de futebol americano evitou o debate sobre a ETC durante anos até que no ano passado, pela primeira vez, um executivo da organização admitiu a relação entre a modalidade e a doença quando perguntado diretamente durante uma audiência no Congresso. O debate atingiu seu maior nível de visibilidade com filme Concussion (Um Homem entre Gigantes), de 2015, sobre o médico que diagnosticou a relação entre a doença e o esporte mais popular dos EUA. Naquele ano, a NFL chegou a um acordo em uma ação coletiva de milhares de ex-jogadores comprometendo-se a pagar cinco milhões de dólares (cerca de 15,85 milhões de reais) a cada atleta aposentado com sequelas neurológicas graves.





VIDA EUA: Você sabe o que é uma Soccer Mom?

VIDA EUA: As maiores diferenças do futebol infantil nos Estados Unidos e no Brasil

Leia Também
Vídeos

Futebol EUA fala com o técnico Liam O’Brien que faz parte da organização Scholarships 4 Sport, que promove eventos para selecionar e conectar jogadores com os técnicos das universidades. Os atletas também recebem consultoria para ajudar sua relação com os técnicos e com a própria imagem.

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!


Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Karina Furtado

Durante o evento de Kart da Florida Cup 2017, que reuniu astros do futebol, o Youtuber Fabio Brazza e o piloto Rubens Barrichello, Rubinho fala sobre o bullying virtual que ainda sofre pela internet. O assunto que tem sido notícia no mundo incomoda o recordista de participações em provas de Fórmula 1

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!

Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Jorge Lameiras

O reconhecido técnico de futebol Marcos Machado acaba de inaugurar sua nova Academia de Futebol em Orlando, a GGS. O espaço com 6 campos de grama natural fica em Ocoee e já está realizando tryouts com uma grande quantidade de novos atletas.
O diretor técnico da Golden Goal Sports é Marconi Machado, filho e braço direito de Marcos Machado.

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!


Apresentação: Ralf Furtado


Canal EUA visitou algumas das mais conceituadas lojas de carros de luxo nos Estados Unidos, para mostrar uma série de carros incríveis, com seus preços, para você curtir cada detalhe dessas máquinas maravilhosas

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE !!
Curta nossa página do FACEBOOK !!


Apresentação: Ralf Furtado
Câmera: Jorge Lameiras

Voltar